O desastre do petróleo que você provavelmente nunca ouviu falar


Não é segredo que o desastre do petróleo no Golfo do México é uma situação muito ruim. O petróleo continua a jorrar no oceano a uma taxa alarmante (as estimativas atuais são de 35.000 a 60.000 barris por dia), devastando a vida selvagem e o frágil ecossistema ao longo da costa da Louisiana.

Achamos que era ruim, mas não é nem o pior cenário possível.

O Delta do Níger tem lidado com o equivalente a um vazamento de Exxon Valdez todos os anos no passado 50 anos. Mais óleo vaza toda semana e a maior parte da vida selvagem já se foi. O número de derramamentos de óleo registrados chega a 6.800, com algo entre 9 e 13 milhões de barris de óleo derramado no delta nas últimas décadas.

De acordo com cnn.com,

“Os 700.000 quilômetros quadrados do Delta do Níger é uma das zonas úmidas mais importantes do mundo e abriga 31 milhões de pessoas - 60 por cento das quais, de acordo com o Programa de Desenvolvimento da ONU, dependem do ambiente natural para sua subsistência.”

O Delta do Níger, que costumava ser abundante em manguezais, camarões, caranguejos, peixes e outros animais selvagens, agora é praticamente uma zona morta. Os pescadores têm de ir cada vez mais longe para encontrar peixes, e alguns têm que ganhar a vida coletando e vendendo lenha em vez de frutos do mar. É este o futuro dos pântanos da Louisiana?

A publicidade em torno do desastre do petróleo BP deixa os nigerianos se perguntando quando sua ajuda chegará. Embora a BP tenha prometido milhões de dólares para limpar o Golfo do México, ninguém vai ajudar aqueles que vivem perto do Delta do Níger.

A petrolífera Shell culpa ladrões e gangues por danificarem os encanamentos, dizendo que pagam ao governo nigeriano para manter a segurança na área, enquanto os moradores locais culpam os encanamentos velhos e enferrujados. As empresas petrolíferas ainda são legalmente responsáveis ​​pela limpeza de seu óleo e, embora afirmem "remediar o meio ambiente, independentemente do custo do derramamento", isso é muito difícil de acreditar, especialmente considerando seu histórico.

Então, qual é a resposta? Não há mais perfuração? Forçar as empresas petrolíferas a assumir a responsabilidade? O que você acha?

Conexão com a comunidade:

Já imaginou morar em um lugar contaminado com óleo? Para alguns americanos, está se tornando realidade, mas Emergildo Criollo Quenama, do Equador, vive há anos com os efeitos dos derramamentos de óleo.


Assista o vídeo: Água - Como escolher a melhor?


Artigo Anterior

Notas sobre “Exuberantes Jardins Escondidos”

Próximo Artigo

Trabalhando com meninos de rua no Uruguai